Autores: PAULA GUERRA and Pedro Menezes (2021)

Editora: INTELLECT BOOKS

A intenção de analisar as semelhanças e diferenças entre Brasil e Portugal, em relação às suas cenas punk contemporâneas, baseia-se no pressuposto sociológico de que podemos utilizar o conhecimento reflexivo dos atores sociais como matéria-prima, escrutinado para compreender e apreender a dicotomia entre o que é replicação e o que é inovação. Prestar atenção aos diferentes focos da cena é essencial para esta análise, destacando as evoluções e multiplicidades de perspectivas dentro dela, seja nos aspectos estéticos, artísticos/musicais e experimentais ou na combinação dos três – pois partimos do postulado de que, como cultura, cena, estética e forma musical: punk é subversão e estilhaçamento. É tudo e nada: é um cosmos de possibilidades. Este capítulo baseia-se no princípio sociológico de que o conhecimento reflexivo dos atores sociais é a matéria-prima básica para a reconstrução científica, num diálogo frutuoso entre mimesis e poiesis – contribuindo sem dúvida para o avanço da teoria social. Esta abordagem é tanto mais relevante quanto a sua base empírica de ancoragem se situa na análise e exploração dos discursos punk de Portugal e do Brasil, presentes em cinco documentários que incidem sobre a acessibilidade dos discursos aos próprios participantes. Parece-nos que esta abordagem é de importância central para a interpretação das culturas juvenis emergentes após a Segunda Guerra Mundial, especialmente no que respeita à reconfiguração dos percursos de vida dos jovens e a sua (sub)imersão cultural como forças decisivas para a aquisição de capital (sub)cultural específico (capacidades, competências, conhecimentos e redes) – fundamental para a transição para a idade adulta e para fazer face aos riscos e crises das sociedades contemporâneas – nomeadamente fora da esfera anglo-saxónica. Com base numa metodologia reflexiva, são realizados três objetivos específicos: problematizar as complexas relações entre o ethos do bricolage, a estética e a práxis e o estabelecimento do punk e as suas (sub)cenas em sociedades fora do eixo gravitacional da hegemonia anglo-saxónica; identificar o conjunto de atividades do espectro punk que constituem um ethos e uma práxis de autenticidade; e, finalmente, elucidar, em termos weberianos, os vários significados contraditórios que os atores atribuem ao punk e as suas respectivas experiências em termos de estilo e ideologia.

GUERRA, Paula & MENEZES, Pedro (2021). So far, so close: Contemporary faces of Portugese and Brazilian punk scenes. In: BESTLEY, Russ; DINES, Mike; GUERRA, Paula & GORDON, Alastair (Eds.). Trans-Global Punk Scenes. The Punk Reader Volume 2. Fishponds, Bristol: Intellect Books. URL: https://www.intellectbooks.com/trans-global-punk-scenes.

 

@Esgar Acelerado @Rui Oliveira

Share